28/05/2009

- Fraco! - E tu és uma quarentona esfomeada que só se consegue apaixonar por cartões de crédito. - ...??? - Depois interrogas-te porque é que gosto de miúdas de vinte anos.

27/05/2009

contemporâneo ou nem tanto

Isto é Portugal, no melhor e no pior, mais um grande retrato dos contemporâneos.

voltando a almada

O problema do pequeno comércio é o mesmo de todas as micro/pequenas empresas, ou a oferta/serviço tem mais qualquer coisa ou ninguém quer saber, esta é a realidade. Medidas sérias terão de vir do governo, principalmente baixa de impostos. A CMA fez uma campanha, a da cidade aberta, pela qual até deve ter pago bastante ao atelier do Henrique Cayatte, mas depois não se passa nada. Claro que em casa onde não há pão todos ralham e etc, só que agora já não é de pão que falamos mas de migalhas. Um padeiro que conheço diz que existem pessoas a comprar duas carcaças por dia, já nem o pão se vende. Este é que é o País real não aquele que se vai passear para o fórum.

21/05/2009

o que é que o Mexia tem a ver com isto

Hoje recordei-me de 2 bons professores que tive no 9.º ano, de física-química e biologia. Lembrei-me do primeiro, um simpático homem de quase 70 anos na altura, por causa da frase "Já me tinha constado que vocês gostavam muito de ir aos anos uns dos outros", depois de um aluno ter dito que tinha de ir a uns anos. Do segundo, outro delirantemente simpático, lembrei-me por uma vez ao dar uma pequena régua a uma colega minha, a ter posto mais ou menos à altura da cintura mesmo ao centro onde se encontra aquilo que todos sabemos e ter dito "agarra na pontinha mas com cuidado". Com estes 2 cromos muitas mais existiram, não eram bons, eram excelentes pessoas e professores também. Ainda bem que não era uma altura de queixinhas, meninos da mamã e gravadores. Zeus me valha se o puto não é o Pedro Mexia, assim para o mais novo.

20/05/2009

almada

Vi, ontem, em quatro cafés de Almada, um cartaz com a frase Comércio Mal Apoiado, com destaque, em maiúsculas azuis, para CMA, numa crítica óbvia à Câmara Municipal de Almada. Realmente, que interessa o facto de, nestes últimos vinte e tal anos, Almada ter passado de uma cidade dormitório para uma cidade com teatros, centros de exposições, bibliotecas, escolas, universidades, auditórios, piscinas, pavilhões desportivos, um razoável planeamento urbanístico tendo em conta a média portuguesa, saneamento básico coberto em mais de 90%, vários eventos culturais e desportivos, como o festival de teatro em Julho, o que interessa é o comércio mal apoiado, principalmente a quatro cafés seguidos, juntos num espaço de 40 metros, além de que, segundo sei, as leis que possam beneficiar as micro empresas, bem necessárias diga-se, são aprovadas no parlamento e não pelas Câmaras Municipais. Oiço agora na rádio que as queixas são por causa do metro. Melhor ainda, que interessa os transportes públicos, o facto de este ser um meio de transporte menos poluente, mais prático, mais rápido, além de que os quatro cafés ficam a cerca de 1 km da linha do metro. O pessoal não tem dinheiro para beber uma bica e a culpa é do metro, tá bem. E, já agora, será que nenhum dos proprietários dos estabelecimentos em causa se lembrou que quatro cafés num espaço tão curto era demais. Querem criticar a Câmara, que o façam onde realmente ela falha, ou seja, nos compradios, apadrinhamentos e pseudo-concursos, mas, apesar desse lado tão português, pelo menos trabalham.

13/05/2009

ai Jesus

Depois de um cigano anormalmente racional e com o bonito nome de Flores, o meu Benfica prepara-se para trazer a Nossa Sra. do Caravaggio ou mesmo Jesus himself. Parece que o Rui Costa ainda está a tentar Deus, mas não só o passe é muito caro, como este lhe respondeu que não se quer meter em mais alhadas. Haja fé.

12/05/2009

mais uma viagem

Ontem, em mais uma viagem a Coimbra, um pouco mais do mesmo. Se sem chuva a nossa condução é o que é, com tudo molhado as estradas tornam-se autênticas pistas de skarros de choque, o que sendo mais perigoso é também mais divertido, então se for com um "Chama o António" em versão disco-feira ainda melhor. Apesar de tudo passei fino, por entre skarros desalmados e umas coisas estranhas de colete amarelo ou laranja a passar nas pontes, que a minha namorada garantia serem peregrinos, a quem eu contradizia que não eram peregrinos nenhuns, mas sim devotos, em marcha pelo poder, daquela senhora daquele partido novo, acho que a Nossa Senhora Laurinda. Enfim, por volta da uma e qualquer coisa já estava sentado num restaurante simpático em Pombal, onde gosto de regressar, a comer uma açorda de ovas e a beber um Alento muito bom, sempre tinto seja peixe ou carne, mariscos já é outra conversa. Como é hábito o serviço naquele espaço é eficiente e com grande simpatia, mas ontem até os clientes eram de uma amabilidade extrema, ao que não devia ser alheio o facto de a minha namorada andar de andarilho, ainda em recuperação de uma cirurgia que fez há um mês, e ao facto de terem todos ar de revolucionários do tal partido e, pensarem que, por causa do andarilho, também éramos devotos em marcha pela Nossa Senhora Laurinda na procura de um qualquer milagre. Mas não, como não somos interesseiros, íamos só ao nosso senhor Prof. Dr. Abel Nascimento mostrar umas radiografias para saber se podia começar a fisioterapia. Acabado o almoço, com algum Alento mas não muito para não sair da estrada, resolvi fazer o restante caminho pela Nacional 1, também conhecida pela Scary Movie Road. Nisto, desato a ver centenas de revolucionários com paus, cajados, todos fardados a rigor, com aquelas cores berrantes para quê armas, a vitória é nossa, aliás deles. Ainda pensei que tentassem converter umas senhoras muito simpáticas que estavam, calmamente sentadas, a ver os carros passar só para os cumprimentar mas não, a fúria revolucionária era tal que não paravam por nada. A minha namorada insistia com os peregrinos, e coitados, e que não tenho fé mas respeito, e que os condutores tinham de ter cuidado redobrado e mais não sei quê. Eu só lhe dizia que não respeito muito o respeito, defeito da geração reguadas, e que se acontecesse algum despiste triste, não seria mais que a vontade de uma nossa senhora qualquer, mas que tinha fé que não, pelo menos comigo a conduzir. E consegui, a minha fé foi maior que qualquer vontade macabra de uma nossa senhora, cheguei a Coimbra pouco depois.

08/05/2009

Verdi

O meu primeiro contacto com a música clássica deu-se através de uma série sobre Verdi, devia ter por volta de uns 11 anos. Lembro-me que não perdia um episódio, via tudo com uma atenção e um sentir assim género Clearasil, absorvia e voltava a absorver. Se a vida do homem me parecia fascinante a música ainda parecia muito mais, um mais tão forte que me transportava para espaços amplos onde, apesar das tragédias, tudo era belo e superior. No fundo é como a vida, de tragédia em tragédia a brisa fresca depois de um mergulho num dia quente vale o empreendimento. Com o Verdi senti essa brisa muito cedo. Ainda hoje é assim.

04/05/2009

I'm so sorry

Sempre pensei que desculpas era coisa de criança. - Bateste no menino, seu mauzão, agora vai lá pedir desculpa, imediatamente. Já pediste, assim é que é. Ele desculpou, sim, óptimo, então agora já podes bater outra vez. Estamos entregues aos bichos. Why do you come here? And why do you hang around? I'm so sorry I'm so sorry Why do you come here When you know it makes things hard for me? When you know, oh Why do you come? Why do you telephone? And why send me silly notes? I'm so sorry I'm so sorry Why do you come here When you know it makes things hard for me? When you know, oh Why do you come? You had to sneak into my room 'just' to read my diary It was just to see, just to see All the things you knew I'd written about you And so many illustrations I'm so very sickened Oh, I am so sickened now It was a good lay, good lay It was a good lay, good lay...