28/12/2011

no reino da tugolândia

Mais um ano que passou e tudo na mesma continuando a cair a pique para pior na tugolândia. Foi-se o Sócrates mais o choque tecnológico, o discurso positivo de exaltação da nação e sobrou uma tragédia descomunal neste desastre que somos, já Guterres era um apaixonado com juras de amor pela educação. Ontem era notícia de primeira página do Correio da Manhã que uma concorrente de um concurso parvo da TV fez uma mamada, um bico, um broche a outro concorrente, parece que o programa se chama "casa dos segredos", agora imaginem se fosse uma casa sem segredos, o que saberíamos, que têm um burro no quintal com o qual fazem loucas orgias, era giro, quase aposto que o burro ganhava aquela espécie de concurso, talento não lhe falta, enorme talento. Então, mas o que é que isto tem a ver com a educação, epá não sei, fiquei distraído com a imagem do talento burro nos concorrentes, o que é chocante mas não tecnológico. É a natureza pá diria o outro.
Como natural é ser entroikado por uns burocratas aziagos da União Europeia, parece que se fartaram do nosso bacalhau com todos, das azevias, das filhoses e dos coscurões e nos entroikaram até..., enfim até aos dedos dos pés que as solas vão começar a ficar rotas. Vá, esqueçam lá o burro ou não saímos daqui, coisa que, parece, alguns tugas aparentemente com mais neurónios começaram a fazer, desopilar está na moda, só que em vez desses paladinos da civilização como a Alemanha, França, Canadá ou USA estamos a ir para sítios como Angola, Moçambique, Brasil, Burkina Faso e sei lá que mais, parece que são países que estão a crescer, tirando o último que foi só para ver se vão ao mapa ver onde é e se esquecem do raio do burro, mas voltando ao que interessa, se estão a crescer para que é que precisam de tugas, só se for para fazer concursos parvos e levar o burro.
Entretanto andamos a levar com um coelho, que, sendo um animal bastante trabalhador, não me parece tão imponente como o burro, basta ver o tamanho das orelhas.

21/12/2011

bom dia

Para Manuel Zacarias Segura Viola o pior cego é o que não vê mesmo, o que não quer ver pode aprender.
E o que é que isto tem a ver com o coração?

19/12/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola conhece bem a história dos papéis e sabe sempre onde está a porra do papel, o que se torna, muitas vezes, uma grande chatice. Depois, não só academicamente mas também na vida real, a merda dos papéis nunca se apresentaram como complicados para Zacarias e, tanto nas várias organizações por onde passou como na família, sempre soube qual o caralho do papel a desempenhar, ainda que, amiúde, agarre no filha da puta do papel faça um avião e o mande ao ar.
Agora o coração de Zacarias sabe que existem alturas em que o cabrão do papel está tão amachucado que se torna de difícil leitura para os outros.

13/12/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola, apesar de cheio de amor e paixão, anda parvo com a indecência e o mau cheiro que emana do mundo. Crise económica, bolhas que enchem, rebentam, voltam a encher, voltam a rebentar num ciclo de papa papalvos que, mais indignação menos indignação, continuam a ir enganados para o trabalho e a guardar o dinheiro nas instituições que os comem desavergonhadamente.
Nesta conjuntura, resta a Zacarias manter o coração apaixonado e a manter a coluna direita não vá ser apanhado desprevenido de nalgas para o ar.

beijo



The fire's dying out
All the embers have been spent
Outside on the street
Lovers hide in the shadows
You look at me I look at you
There's only one thing
I want you to do

Kiss me
I want you to kiss me
Like a stranger once again
Kiss me like a stranger once again
I want to believe that our love's a mystery
I want to believe that our love's a sin
I want you to kiss me like a stranger once again

You wear the same kind of perfume
You wore when we met
I suppose there's something comforting
In knowing what to expect
But when you brushed up against me
Before i knew your name
Everything was thrilling
Because nothing was the same

I want you to kiss me
I want you to kiss me
Like a stranger once again
Kiss me like a stranger once again
I want to believe our love's a mystery
I want to believe our love's a sin
Oh, will you kiss me like a stranger once again
I want you to kiss me like a stranger
Kiss me like a stranger once again

XV

Olhar para o lado e encontrar-te,
outra vez,
dizer-te bom dia,
sorrir dos sonhos irrequietos da manhã
e sossegar-te com o aconchego de um beijo.

Olhar para o lado e saber que estás lá,
outra vez,
ver-te de novo,
contemplar os traços de uma vida
e sossegar-me no hálito húmido da tua boca.

Olhar para o lado e sentir-te,
outra vez,
encher-me de ti,
aspirar cheirando a essência
e respirar a pele na inquietude do desejo.

Olhar para o lado e dizer amor,
outra vez.

disco

Em ano de Tom Waits até poderia ser outro, mas como é possível.
É só ouvir.



12/12/2011

livro

Não percebo nada de melhores nem de estrelas, mas este foi o que mais gostei de ler este ano.


Rainer Maria Rilke a Lou Andréas-Salomé

Todos sabemos que o destino não tem destino,
sabemos que o destino passa frio
numa rua escura,
num deserto habitado apenas pelo vento.
Só não o dizemos a ninguém,
preferimos calar que o destino
anda dentro dos bolsos da noite,
preferimos escondê-lo na tristeza
snobe dos escritores de canções.
O destino, essa cadeia infame que nos prende,
nos adestra e nos mantém
morrendo para dentro de um poema.

Todos sabemos que o futuro não tem destino.
É esta a razão da nossa trajectória:
a seguir a cada argumento,
uma vaga precavida de calor
para que nos comportemos bem
à porta da sabedoria.

Todos sabemos que a medida do destino
é o fumo esvaindo-se no ar,
o ar adaptando-se aos pulmões,
os pulmões crescendo para fora do peito,
quebrando os ossos.

Henrique Manuel Bento Fialho

satisfied



I said i will have satisfaction
I will be satisfied
Before i'm gone
Before i'm gone

I will have satisfaction
I will be satisfied
I will have satisfaction
I will be satisfied

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola sabe o que é o sacrifício e sabe que em nome do sacrifício se tem sacrificado muita boa gente e, por vezes, Zacarias himself também não consegue fugir a um bom sacrifício, por exemplo, levar uma tia a um concerto dos Anjos. Contudo, a noção messiânica do sacrifício pelo amor aos Homens como noção de amor que se tem mantido até hoje sugere a Segura a Viola uma malha muito desafinada e falaciosa.
Para o coração de Zacarias o amor faz-se não se sacrifica, não se obriga e muito menos se deve.

06/12/2011

do amor

às vezes assim


outras assado

bom dia

Ultimamente, Manuel Zacarias Segura Viola vem-se debruçando e felizmente, também, ajoelhando, deitando e outras posições indescritíveis, sobre o amor. Um tio de Zacarias diz que o amor estava em cima de uma couve veio um burro e comeu-a, chora baba e ranho a ver filmes românticos mas na realidade dá pouco. Outro tio, seco quase toda a vida, encontrou o amor tardiamente, poucos anos depois teve um ataque cardíaco e morreu. Alguns conhecidos dizem que amam muito, entre outros tipos de violência batem nas mulheres, atenção, por amor claro. Outra diz que ama muito o seu amado mas a tentação de outras carnes é forte. Outra largou tudo, saiu de casa mas voltou passado uns tempos para cuidá-lo de uma doença terminal. Cinquenta anos juntos sem nunca dormirem uma noite um sem o outro é obra de outro casal conhecido.
O coração de Zacarias não sabe nada destas coisas mas sabe que não se ama muito, ama-se ou não se ama e o amor, apesar de fodido, é muita bom.

02/12/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola sabe que quando fica indiferente ao sol, a comida se embaraça sem sabor na boca, que quando a sensação é da cama sobre o corpo e não do corpo sobre a cama, quando a cabeça não ordena e os músculos não querem, resta tentar dormir e esperar que o coração faça o seu trabalho.

psicanálise e a arte

Qual é a origem de produção de Um Método Perigoso? Não é um filme totalmente canadiano?
É uma coprodução entre Canadá e Alemanha. Ironicamente, isso fez com que o filme tivesse sido quase por inteiro rodado na Alemanha, mesmo se a sua história não se passa nesse país. Há uma razão, de produção precisamente, para que isso aconteça: quando se faz um acordo deste género, é preciso gastar o dinheiro em ambos os países. Neste caso, filmámos em Colónia e na zona do Lago Constança. Além do mais, quis filmar em locais nos quais sabemos que Freud viveu, ou por onde passou.


Este filme terá sido, talvez, um reencontro com a psicanálise. Não sente que a sua obra anterior está já muito marcada por Freud e pelas referências psicanalíticas?

Não de forma tão específica. No fundo, creio que a psicanálise e a arte fazem a mesma coisa. Digamos que somos confrontados com a versão oficial da realidade: o paciente chega ao consultório e conta que tem uma profissão, uma família, a sua mulher... E aí, a psicanálise diz: “Certo, mas o que é que está realmente a acontecer? Como é que conseguimos chegar a essas coisas que não são ditas, que fazem com que a sua vida vá num determinado sentido e não noutro?” O artista faz o mesmo com a sociedade: avança para além da superfície das coisas, tenta ver o que está realmente a acontecer. O que está escondido? O que não é compreendido? O que não é dito?

Entrevista completa aqui: http://www.sound--vision.blogspot.com/2011/12/uma-conversa-com-david-cronenberg-13.html

01/12/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola é essencialmente coração, vive com o coração na boca, mas existem alturas que Zacarias tem de dizer basta e colocá-lo no lugar não vá mordê-lo e esvair-se em sangue.

30/11/2011

bom dia

Nesta fase da vida, Manuel Zacarias Segura Viola sabe que decidir é a possibilidade futura de arrependimento e o coração de Zacarias já está calejado de arrependimentos, por isso as indecisões costumam sair com os gases da manhã, mesmo que, por vezes, deixem uma fístula teimosa.

o que é a verdade?

Detesto a mentira, mas não amo a verdade. A mentira sei bem o que é, mas, como perguntava Pilatos, «o que é a verdade?»
 

bom dia

Mas afinal o que é o amor?
Pergunta amiúde o coração de Manuel Zacarias Segura Viola. Um clássico diz que é um contentamento descontente, mas Zacarias sabe que um contentamento descontente também pode ser um chupa-chupa que fica agarrado a um dente.

elogio ao amor

Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo.

O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.
Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.
Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amorcego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar.
O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.
O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a Vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também."

Miguel Esteves Cardoso

28/11/2011

pai natal

Ontem fui ao Fórum Almada com os meus filhos e lá estava o Pai Natal a tirar fotografias com crianças, uma coisa linda não fosse eu saber, porque quiseram contratar a minha filha, que os fotografos estão a ganhar 300 euros/mês para trabalhar 10 horas por dia. Vivemos num mundo generoso pois então e é bonito de ver o Pai Natal a contribuir para isso.



ou este

dicionário dos novos tempos

:) =) :] Sorrindo

¬¬ ¬_¬ ¬.¬ -.- Entediado, sarcástico ou desprezo

;) ;D Piscadela (piscada)

:D =D Sorriso grande ou risada

:] =] sorriso simples, ou sem-graça.
xB XB rindo com os dentes para fora, cara de deboche.

:B =B dentes para fora, cara de deboche ou de sorriso infantil

8I surpreso, deboche, não sabe o que estão falando com os olhos arregalados e boca serrada

:-)(-: beijo sorridente

:P =P de língua para fora, debochando, desregramento dos costumes; má conduta, devassidão, libertinagem

^^ sobrancelha levantada, saliente / feliz

o-o Surpreso /chocado

:o) Palhaço sorrindo

:3 =3 Achar algo fofo, fazer cara de pidão

;o) Palhaço sorrindo piscando

:( =( =[ triste

:'( :,( chorando

='/ :'
lágrimas (geralmente de emoção) ou comumente usado como assobio

:/ :\ =/ =\ =
indeciso, sem emoção, emoção indefinida

:
=
incerto

:# >=[ raiva

:@ Nervoso, Falando Palavrões / Beijo de Língua

:O =O Sujeito surpreso

:S =S Sujeito confuso

:x =X A falar um segredo

:* =* Beijo

B) 8) Com óculos escuros

8
Nerd, Estudioso

:^) Nariz grande ou nariz pontudo (ou compridinho)

:o) :O) Nariz redondo (ou redondinho, ou rondondinho)

O:) santo ou "não fiz nada"

>:) }:) }:] diabólico (com chifres)

5:) topete

:(
) cara de macaco

:@~ =@~ Esta tão nervoso que chega a babar / Beijo de Língua babado

:7) Sorriso Narigudo

ó:) Formando (de beca)

=T :T :I =I a mastigar

:> Sorriso anormalmente grande

<)

:$ =$ Vergonha, envergonhado

:(#) Com aparelho ortodôntico

:9 Delicioso, comida deliciosa

+:-) Idéia

-q, -Q Deboche, risada

("_")~*, ("_") Vendo estrelas ( Triiin ), Wow que besteira. ( humff))

D: D= )': Muito triste ou com medo.

>:) >:D feliz ou muito feliz.

>:( >:C triste ou muito triste..

v_v triste e Desapontado.

^_^ Feliz e bem disposto.

^-^ Bastante Feliz e bem disposto.

O_o ou o_O confuso e surpreso.

$_$ ou $-$ faminto por dinheiro.

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola já acreditou no Pai Natal e ainda acredita em Duendes, Fadas, Gnomos, Silfos, Elfos, no Speedy Gonzalez, no Calimero mais a Abelha Maia claro, no sapo Cocas, na miss Piggy e no Monstro das Bolachas. Em quem o coração de Zacarias tem mesmo dificuldade em acreditar é no cabrão do Pai Natal.


The question is what is mahna mahna?
The question is who cares?

but it goes on


Last night I dreamt
That somebody loved me
No hope, no harm
Just another false alarm

Last night I felt
Real arms around me
No hope, no harm
Just another false alarm

So, tell me how long
Before the last one?
And tell me how long
Before the right one?

The story is old - I know
But it goes on
The story is old - I know
But it goes on

the first time ever I saw your face


The first time ever I saw your face
I thought the sun rose in your eyes
And the moon and the stars were the gifts you gave
To the night and the empty skies my love

And the first time ever I kissed your mouth
I felt the earth move trough my hands
Like the trembling heart of a captive bird
That was there at my command my love

And the first time ever I lay with you
I felt your heart so close to mine
and I know our joy would fill the earth
And last 'till the end of time my love

The first time ever I saw your face

26/11/2011

on fire

Jurei nunca mais meter os pés no Rock no Rio, mas como quem mais jura mais mente, serei perdoado. Nunca andou por aqui nem sei bem porquê mas isto é do melhor.

e mais isto

24/11/2011

frágil

Hoje parei em galáxias longínquas no frio húmido desta estação, e voaram palavras por baixo das estrelas que trouxeram constelações mais um universo infinito de ânsias.

Já houve um tempo em que as palavras traziam sossego amanhado na saliva que pensava conhecer, mas os tempos não estão fáceis e a saliva começa a ficar gasta na acidez de desejos e sonhos que se desfazem em percepções inúteis e, quem sabe, falaciosas.

E regresso à terra, esta que os pés teimam em pisar, a força da gravidade é mais forte que a ilusão distante de outras dimensões, físicas, extrafísicas, é indiferente, a terra que pisamos será a terra que seremos.

Entretanto, enquanto a cabeça se mantém entre as orelhas, pouco mais há para querer do que o amor de quem amamos, olhar o espelho, ver a loucura de tudo e ter a certeza que, mesmo assim, ainda nos vemos e, já agora, fazer uma careta aos fracassos e insistir.

Depois, podemos sempre questionar a existência, esse abismo sem resolução, podemos sempre procurar um sentido para tudo, alguns podem até conhecer deus e fazer da esperança e da fé um nirvana, outros tentar perceber a força das emoções ou a natureza dos conflitos, é igual, no fim resta aquilo que sentimos, o que fizemos será apagado pela voragem do tempo.

Neste teatro tragicómico, resta-me resistir e procurar-te no canto mais isolado do palco, dar-te a mão, trazer-te à boca de cena e dizer que te amo.

house is on fire



Hey little bird, fly away home
Your house is on fire, children are alone
Hey little bird, fly away home
Your house is on fire, your children are alone

22/11/2011

tenderness

A minha filha anda a ouvir isto.


O meu puto com 13 anos tem isto no mp3


The sun is up the world is flat
Damn good address for a rat
The smell of blood
The Drone of flies
You know what to do if
The baby cries
Hoist that rag

Fuck it tenho uns putos lindos, agora vou ver se chove.

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola sabe o que quer dizer relação, sabe o que é o Tribunal da Relação, acordãos da relação, uma relação de bens, e, sobretudo, esforça-se por saber relacionar as coisas, o que o coração de Zacarias não consegue relacionar é o que é ter uma relação ou ter relações com pessoas.

21/11/2011

down for you is up



If I could make the world as pure and strange as what I see
I'd put you in the mirror I put in front of me
I put in front of me

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola sente, muitas vezes, uma tristeza em forma de dor no peito mesmo junto ao coração que revolve as entranhas.
Quando tal acontece Zacarias tem de se bufar e, assim, peido a peido vaza o corpo e mente.

31/10/2011

Love Will Tear Us Apart


When routine bites hard
and ambitions are low
And resentment rides high
But emotions won't grow
And we're changing our ways
Taking different roads

the Tree of Life

E se quisesses preencher o vazio e só encontrasses mais vazio, e se quisesses um sentido para tudo e só visses loucura, e se quisesses compreender o mistério da existência e este se reduza a nada, e se quisesses falar com deus que meio usarias, e se quisesses tocar guitarra e te falhassem os dedos,  e se quisesses valorizar o sofrimento qual seria a utilidade, e se quisesses ter esperança ou até fé o que farias com estes conceitos, e se quisesses perceber a força das emoções e a natureza dos conflitos será que a vida era mais facilmente explicável, e se quisesses voltar onde pertences e não soubesses.
E se quisesses, simplesmente, amar.


Aqui: http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2011/10/tree-of-life.html

we all go back to where we belong



I dreamed what what you were offering
Imagine lying next to me
You should, and your reputation talks
I will write our story in my mind
Write about our dreams and triumphs
This might be my "Innocence Lost"
I can taste the ocean on your skin
That is where it all began
I dreamed that we were elephants
Out of sight, clouds of dust
And woke up thinking we were free
Oh oh oh
I can taste the ocean on your skin
That is where it all began
We all go back to where we belong
We all go back to where we belong
This really what you want
This really what you want

I can taste the ocean on your skin
That is where it all began
We all go back to where we belong
We all go back to where we belong
This really what you want
This really what you want

stop worrying




maioria maiorias enrendilhadas

"Um passeio pelas redes sociais, esse intrépido passatempo moderno, e logo me deparo pensando em como as pessoas andam modestas. Em todos os lugares das redes elas se confessam a todo instante, politicamente desinteressadas, inteligentemente deficientes, indignas ou incapazes de realizarem qualquer coisa. Ninguém crê ou tem convicção de nada, a não ser de sua própria imperfeição. Elas se vêem sempre como mutiladas. Frases como: “o primeiro desejo da inteligência é desconfiar dela mesma” ou “é preciso coragem para ser imperfeito”, seguido, do clichê socrático, “só sei que nada sei” e “preferia ser um burro para não sofrer tanto”, entulham os perfis ou se somam às mensagens diárias que as pessoas enviam umas às outras. Ninguém quer parecer auto-suficiente. Nos dias atuais isso soa indigno. Vai daí que as coisas andem tão pantanosas como estão. Ninguém tem a mínima convicção de nada. Andam todos em círculos esperando a voz de um líder que os indique o caminho. Com tantas trilhas abertas eu me pergunto o que estão todos ainda esperando para se enfurnarem em uma delas. Sigam as picadas ou desbravem rotas alternativas. Parem de ler manuais de auto-ajuda."


AQUI: http://implantesdeciclone.blogspot.com/




Relembrando um texto de 2009


Cada vez mais, tal como no tempo dos meus avós, volto a ouvir falar de mau olhado, superstições, bruxas, mezinhas. Conheço pessoas, quase todas relativamente bem e instruídas, que não param de me falar de auto-ajuda, feng shuis, meditismos e uma panóplia de situações que me deixam em estado de contracção para não ser indelicado e a abanar a cabeça ao jeito de pois, pois, tentando disfarçar o ar parvo com que fico. Porra pá, eu também gosto muito de Yoga, mas só porque aquilo estica-me o corpo todo depois do ginásio, quando começam a chamar não sei por quem desligo. Por outro lado, de forma mais séria, existem pessoas a organizar-se em movimentos cheios de boas intenções, mas completamente obscurantistas. Vou a uma entrevista de trabalho e a Sra. que me entrevista (que tem trabalho e não tão mau quanto isso) começa a desabafar comigo, à velocidade da luz, durante duas horas. Tenho uma reunião com vista a definir uma linha de trabalho para atingir determinados objectivos e está tudo completamente noutro planeta ou lugar espiritual sei lá. Com isto tudo, começa a parecer-me que o maluco sou eu, como os desgraçados deste estudo De Rerum Natura: Conformidade ou conformismo?, que apesar de saberem que a resposta estava mal seguem com a maioria. Apesar desta campanha, os medos são muitos e sinto um retrocesso civilizacional enorme, mas se calhar sou eu que estou a ficar choné.

AQUI: http://n--coisas.blogspot.com/search?q=auto+ajuda

26/10/2011

correr, correr, correr

Ao fim de cerca de 15 anos voltei a jogar andebol, sem o peso da competição e com a anarquia própria de quem já só joga para se divertir. O primeiro treino foi cansativo mas compensador, em primeiro lugar parece que o corpo ainda se mexe bem mas, sobretudo, enquanto dura a contenda só penso no jogo, dá para esquecer tudo, absolutamente tudo, só existe o jogo, o que é um luxo que não tinha há muito anos.
Por isso larguem todos os psis  e terapeutas e comecem a jogar a qualquer coisa, nem que seja ao chinquilho.

24/10/2011

arejar



Yes, I understand that every life must end, uh-huh

As we sit alone, I know someday we must go, uh-huh
Oh I'm a lucky man, to count on both hands the ones I love
Some folks just have one, yeah, others, they've got none

Stay with me, Let's just breathe...

Practiced all my sins, never gonna let me win, uh-huh
Under everything, just another human being, uh-huh
I don't wanna hurt
there's so much in this world to make me bleed

Stay with me, You're all I see...

Did I say that I need you?
Did I say that I want you?
Oh, if I didn't I'm a fool you see
No one knows this more than me

As I come clean...
I wonder everyday, as I look upon your face, uh-huh
Everything you gave
And nothing you would save, oh no
Nothing you would take
Everything you gave...

Did I say that I need you?
Oh, did I say that I want you?
Oh, if I didn't I'm a fool you see
No one knows this more than me
And I come clean, ah...

Nothing you would take
Everything you gave
Hold me til I die
Meet you on the other side...

fluir



Even flow, thoughts arrive like butterflies
Oh, he don't know, so he chases them away
Someday yet, he'll begin his life again
Whispering hands, gently lead him away
Him away, him away...
Yeah!
Woo...ah yeah...fuck it up...

19/10/2011

second coming

Sem a genialidade e a pujança do primeiro o segundo ainda deu para manter a coisa bastante erecta.
Oiçam lá isto.


ou isto



ou ainda isto

ressurreição

Parece que os Stone Roses vão voltar aos palcos e talvez aos discos.
Se for para fazerem mais um álbum como o primeiro e ressuscitar mais músicas como esta o que vem aí é do melhor.
Oiçam e digam lá se isto não dá tusa?

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola não acredita em bruxas mas acredita em bruxarias e gosta de pensar que, por vezes, também é bom estar enfeitiçado, mas o que fascina mesmo o coração de Zacarias é a possibilidade de agarrar numa vassoura, voar e avassourar ao lado da Maria.

17/10/2011

realismo

De que falamos, então, quando falamos de realismo? Exactamente do contrário do pueril naturalismo televisivo. O efeito de real nasce, não de qualquer “transcrição” neutra, mas de um elaborado trabalho narrativo que começa no visível (da vibração dos corpos à especificidade dramática dos objectos mais secundários) e passa por todas as nuances dramáticas (as relações entre personagens recusam qualquer espartilho moralista típico de telenovela).

Texto completo aqui: http://sound--vision.blogspot.com/2011/10/realismo-realismos.html

espectro

Brazilina Correia de Paiva fotografada por Mafalda Paiva - bisneta

no surprises



Such a pretty house and such a pretty garden


No alarms and no surprises (let me out of here)
No alarms and no surprises (let me out of here)
No alarms and no surprises please (let me out of here)

Brazilina

Brazilina Correia de Paiva é uma mulher de 95 anos nascida na Tulha Velha, aldeia numa montanha perto de Cabril, Castro d'Aire, Viseu mas longe de tudo,  onde há 30 anos quando lá cheguei pela primeira vez ainda se mijava e cagava para um buraco onde os porcos davam conta do recado, sem luz nem água e onde as mulheres não sabiam o que eram cuecas, ou sabiam mas achavam uma inutilidade, o que, bem vistas as coisas, é uma evidência que nesta urbanidade tosca nos recusamos a aceitar, a não ser por um erotismo tão estafado quanto básico.
Essas viagens que se tornaram regulares na segunda quinzena de Agosto, tinham o objectivo do reconhecimento das raízes familiares e, principalmente, proporcionar que a Brazilina revê-se a família. Pela estrada nacional n.º 1 até ao Porto e por uma espécie de estradas que nem lembro do Porto até à Tulha Velha chegávamos a levar 8 ou mais horas de caminho, isto numa carrinha mini com dois velhos e duas crianças no banco de trás. Estas viagens eram uma alegria, o reconhecimento que o mundo era muito mais que uma cidade onde tudo aparecia feito uma alegria ainda maior. Para a Brazilina foi um gosto dentro do que era possível a uma pessoa como ela ter gosto em alguma coisa. Mulher desinteressada e até apática não sabia ler nem escrever, chamou uma vida inteira Manel ao marido que se chamava José Leal Carriça, mas tinha um dom que dava e sobrava para a casualidade de estar vivo, embalava os bebés da família numa voz tão maravilhosa quanto a simplicidade com que se respira. Lembro-me de sair da escola primária e descer os 500 metros que me levavam aquela casa, encontrar o José Leal Carriça que era Manel a fumar cigarros atrás de cigarros, guardar tralha nas traseiras e a resmungar sozinho, só para a ouvir embalar os meus primos. Passava horas em pé com os bebés ao colo a cantar e eu no sofá deleitado a beber café, sim café da cafeteira e a comer pão com manteiga depois da sopa de feijão com hortaliças do quintal. Naquela casa bebia-se café como se fosse água e sempre foi uma questão democrática e consensual, calhava a todos, crianças, jovens e velhos, se nos fez mal não parece, no caso da Brazilina era mesmo o conduto principal do dia, de manhã, à tarde, à noite e até de madrugada. Mal não lhe fez como não faz ainda hoje, com 95 anos, por vezes, ainda é o café que a desperta de uma Alzheimer cada vez mais profunda, tão profunda que nem a tem lembrado que viver assim não vale a pena.
Há vários anos que já não reconhece ninguém, tirando os beijinhos que ainda sabe dar, das últimas coisas que a doença lhe levou foi a vontade de cantar e sem vontade de cantar de que vale viver, principalmente quando a voz se revelava tão importante como o ar.

14/10/2011

It's not going to stop



It's not.. what you thought...
When you first... began it.
You got... what you want...
Now you can hardly stand it, though,
By now you know, it's not going to stop...
It's not going to stop...
It's not going to stop,
Till you wise up.
You're sure... there's a cure...
And you have finally found it.
You think... one drink...
Will shrink you to... your underground
And living down, but it's not going to stop...
It's not going to stop...
It's not going to stop,
Till you wise up.

Prepare a list for what you need,
Before you sign away the deed,
'Cause it's not going to stop...
It's not going to stop...
It's not going to stop,
Till you wise up.

No, it's not going to stop,
Till you wise up.
No, it's not going to stop,
So just give up.

12/10/2011

11/10/2011

13

Foda-se e não é que é o 13.º.
Raios, cruzes canhoto, patas de coelho, ferraduras.
Foda-se.

XIII

Suspenso,
inútil Outono a queimar o Verão ultrapassado.
As nuvens chegarão,
chegam sempre,
a chuva arrastará tudo,
lavará corpo e alma.
A massa fria trará o vento forte,
uma tempestade levará o desejo e a ilusão.
Tu permanecerás, estática mas permanecerás.
As folhas despenhar-se-ão como sempre,
ficarás despida outra vez.
Serás as raízes profundas, o tronco e os ramos nus,
a geada abater-se-á sobre ti.
Suspenso,
inútil será querer-te.

Lograr-te para quê se não te alcanço?

10/10/2011

Chase The Tear

a casa dos poetas

No dia em que podia ter feito um brilharete, porque até li umas coisas do novo Nobel da Literatura, passei o tempo todo a trabalhar que nem um burro de carga. Depois chego a casa e dou de caras com uma histeria apenas compreensível porque há muito nos preparámos para o carácter neurótico dos amantes de poesia. Uma coisa vos digo cá do fundo do coração, só por causa da quantidade de palermices que já vi escritas, mesmo que de raspão, acerca da atribuição do Nobel, fico convencido de que A Casa dos Segredos teria muito mais sucesso se metesse por lá poetas e leitores de poesia em vez de putas e pasteleiros.
 

casa dos segredos

Que A Casa dos Segredos (TVI) seja mais uma variação do horror humano do Big Brother, eis o que já sabíamos. Que haja políticos que fingem acreditar que é possível discutir o “serviço público”, ou apenas a nossa sanidade mental, sem enfrentar os efeitos (des)educacionais de tal horror, eis a triste conjuntura em que vivemos...


Daí que seja oportuno relançar a questão política que, neste caso, realmente conta: na televisão portuguesa, onde estão os anticorpos que proclamem alternativas? Quando vemos Estado de Graça (RTP1), compreendemos que nem tudo está perdido. Desde logo porque, ao regressar, o programa das Produções Fictícias escolheu A Casa dos Segredos como “inimigo principal”: já que, na sociedade portuguesa, quase ninguém tem uma palavra a dizer sobre a violência simbólica da institucionalização da reality TV, saúde-se a coragem moral de um genuíno programa de humor.

Podemos considerar que a fórmula adoptada (um sketch + uma charla a dois + uma canção) tem limitações difíceis de superar. Talvez. Mas o programa nasce de dois valores fundamentais: primeiro, o gosto pelas palavras e seus poderes de humor, ironia, contundência ou ambiguidade; depois, a valorização desse maravilhoso material humano que dá pelo nome de “actor” (ou “actriz”). Saudemos, por isso, os cinco mosqueteiros de Estado de Graça: Ana Bola, Eduardo Madeira, Manuel Marques, Joaquim Monchique e Maria Rueff são a prova muito real do talento dos nossos actores. Afogar a maior parte desses actores na rotina medíocre das telenovelas é matar, lentamente, as energias criativas que existem na sua classe profissional.

 João Lopes aqui: http://sound--vision.blogspot.com/2011/10/contra-casa-dos-segredos.html

03/10/2011

You Lost Sight On Me

Gostavas que a morte fechasse os olhos
e dissesse a palavra amo-te
enquanto se entrega ao desejo,
ou escolhias um golpe aniquilador
que devorasse o tempo?

Diz.
Preferes o sossego seco do deserto
a paz solidificada no vazio,
ou a humildade da luta sem tréguas
que todas as acções abarcam?

Reconheces a inutilidade de tudo,
na mão que repousa, respira e sente,
na palavra que é dita ou que se escreve
e marcas as mãos na terra
como quem agarra a vida?

Diz.
Queres que o amor seja o espaço
largo de uma planície serena,
ou a força implacável
de um punho contra o ventre?

02/10/2011

holes in the story



Don't leave me now
I must confess
Haven't been the worst
Haven't been the best
Since you came

Don't take me now
I must confess
Found the word digress
And made it a home

Don't leave me now
I must confess
Haven't been the worst
Haven't been the best
Since you came
It's all the same
It's all the same

Don't take me now
I must confess
Found the word digress
And made it a home

It's all the same
It's all the same

Don't come try to find me now
I must confess
Holes in the plot rearrange themselves
with all the rest

Holes in the story
Holes in myself

nada

Aguentava-me como podia: num caco. Segue-se o marasmo à descoberta de que no âmago existe o nada.

AQUI: http://raposasasul.blogspot.com/2011/09/fors-sua-cuique-loco-est.html

do fazer

"Os conhecimentos ouvem-se, mas para agir a capacidade de audição é praticamente desprezível. Porque agir é estar próximo das coisas e ouvir é estar afastado das coisas. Alguém que apenas ouve nunca será considerado um intruso no mundo, a Natureza não se sentirá ameaçada. Quem ouve poderá acumular conhecimentos, mas essa acumulação não lutará com a Natureza. Esta resiste bem à inteligência, ao raciocíonio e à memória do Homem... ...e o que ameaça a natureza são as acções:...
... Qualquer cão mesquinho mijaria nas pernas de um homem altamente inteligente, mas imóvel."

Gonçalo M. Tavares "Um Homem Klaus Klump"

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola é um homem bastante simples, tem o cabelo grande e meio desgrenhado, barba por fazer, roupa meio desleixada, um andar desajeitado. Aparentemente distraído, é, na verdade, uma pessoa muito atenta a todos os pormenores e não nega à partida ciências que desconhece.
Mas uma coisa o coração de Zacarias sabe, é que o amor não se guarda vive-se.

29/09/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola nunca percebeu bem aquela estória da porta que se fecha e abre uma janela, ou da janela que se fecha e abre uma porta, ou da porta que se fecha e abre outra porta, qualquer coisa assim, até por causa das correntes de ar.
Já a questão da Luz sempre surgiu simples ao coração de Zacarias, é só abrir a janela quando o sol nasce.

28/09/2011

na ramada

É verdade que te reconheço a inutilidade, não semeias, não lavras, não dás fruto, não cultivas, no fundo não geras riqueza e a vida está cara, se está, mas foda-se, ver-te perdido no meio de tantos papéis inúteis, como tudo, foi triste.


Tocar-te como quem toca o chão e amaciar-te a terra nas mãos,

sentir todos os grãos de vida nas partículas mais ínfimas,
do passado extrair as raízes que te fizeram,
do presente todas as sensações que provocam,
do futuro o sorriso que desejo.

Embrulhar o tempo num abraço e querer,
querer o corpo que é pele e o pensamento que é ser,
a palavra que é voz e o desejo que é carne,
o sangue que é ferida e os nervos que são dor,
a mão que é expressão e os olhos que são alma.

Desenhar o espaço num horizonte e sentir,
sentir o silêncio na paz que aconchegas e afagas,
o sossego no segredo que se faz profundo,
a música que imaginas no murmúrio dos corpos,
e os dedos que são verdade vincada na eternidade.

E voltar.
Tocar-te como quem toca o chão e amaciar-te a terra nas mãos,
sonhar-te presente em mim.

e mais ar fresco

ar fresco

desilusões

Passei o dia a arrumar tralha de uma vida, uma enorme volta ao quarto/biblioteca/videoteca/discoteca e sei lá que mais. A inutilidade do que guardamos é de uma pobreza confrangedora. Coisas que pensámos importantes, ou, pior ainda, que até foram importantes em determinada altura e agora resumem-se a pedaços de nada cheios de pó.
A questão é.
Será que com as pessoas é muito diferente?

aprende

...À pergunta Para Que Serve a Poesia Hoje? Nós podemos, desde logo, juntar uma outra: para que servem hoje conferências e debates sobre a utilidade da poesia? E mais esta: servirá hoje a poesia para alguma coisa que não tenha já servido no passado? Estes problemas são tão mais urgentes quanto se torna necessário entender se, de facto, a poesia alguma vez serviu para alguma coisa ou se tem mesmo de servir para alguma coisa. Um pouco à semelhança da presunção de um sentido para a vida, buscado, cavado, semeado, colhido no absurdo da existência, também a utilidade de toda e qualquer actividade humana deverá ser pensada em função do paradoxo suscitado pela prática do impraticável. Na realidade, nada na vida pede sentido senão a própria perdição dos homens. Assim como a vida não tem que ter sentido algum, também a poesia não tem que servir para o que quer que seja...

...A poesia terá uma dimensão terapêutica que não esgota as suas funções, mas que de algum modo sublinha o carácter utilitário da sua não-utilidade. Duvido que cure ou dê prazer, pelo menos não tanto quanto um bom vinho ou a masturbação...

Sublinhados meus.

AQUI: http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2011/09/para-que-serve-poesia-hoje.html

bom dia

O coração de Manuel Zacarias Segura Viola inchou tanto de amor que até meteu nojo. De tanto inchar rebentou, deixando merda espalhada em todos os que estavam à sua volta.
Está pronto para voltar a ser.

25/09/2011

manifesto

não digam que a arte não alimenta
não digam que arte não abriga
não digam que a arte é inútil
nem para a enaltecer
nem para a desprezar


alimentem-se de arte,
da vossa e a da dos outros
façam da arte a vossa casa
e o vosso porto de abrigo
de onde partem e chegam


a verdade é que inútil é
a própria ideia
de utilidade
a arte é tão inútil
como o ser
 
luís ene
aqui: http://luis-ene.blogspot.com/

22/09/2011

fim

Hoje sinto tudo em cima de mim
e o mundo é esta reflexão que sou.




I've found a way to make you
I've found a way
a way to make you smile

I read bad poetry
into your machine
I save your messages
just to hear your voice.
you always listen carefully
to awkwards rhymes.
you always say your name.
like I woulden't know it's you,
at your most beautiful.

I've found a way to make you
I've found a way
a way to make you smile

at my most beautiful
I count your eyelashes secretly.
with every one, whisper I love you.
I let you sleep.
I know you're closed eye watching me,
listening.
I thought I saw a smile.

I've found a way to make you
I've found a way
a way to make you smile

maioria

O problema reside num autocentrismo assoberbado sem razão de ser. Muita gente está convencida de ter tido uma vida repleta de percalços e histórias incríveis, não lhe passando sequer pela cabeça que ao pé desses percalços e experiências incríveis a vida, vá lá, de uma criança soldado na Serra Leoa não é um mero facto desmistificador. Um homem que teve muitas mulheres pode morrer sem nunca ter tido verdadeiramente uma única mulher. Um homem que toda a vida teve a mesma mulher pode ter tido toda as mulheres do mundo. Só um tonto pode duvidar de que uma vida linear, sóbria, metódica e indiferente possa ser tão útil quanto uma vida inquieta, desassossegada, anárquica, extravagante, até porque a utilidade de ambas as “formas de vida” reside na razão intrínseca da existência dos seres humanos: virem um dia a servir de estrume. Daí que o interesse não esteja tanto na vida levada como parece estar na vida que se leva.

Texto completo aqui: http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2011/09/maioria.html

house of cards

"I don't wanna be your friend
I just wanna be your lover
No matter how it ends
No matter how it starts
Care about your house of cards And I'll deal mine"


baralhas as cartas e voltas a dar
rompes as regras do jogo
tentas dominar a mesa.
 
sai-te sempre o ás de trunfo
uma mão que não dá hipótese
a contenda é sempre tua.
 
olhas para o lado vitorioso
e reparas que estás sozinho.
 

21/09/2011

I have been in you

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola não é homem muito dado a medos. O que o assusta mesmo é chegar ao fim da vida e não ter proporcionado à Maria tantos orgasmos quanto merecia, o resto são cagaços normais num coração a bater.

medos

 O João sem Medo não pode fazer psicanálise, não pode não.

a derrota

A psicanálise está derrotada à partida quando sabemos que o maior medo de que podemos padecer é o único que não é infundado, o único cuja origem nunca conseguiremos evitar.

AQUI: http://retrato-auto.blogspot.com/2011/09/derrota.html

19/09/2011

a dança das feridas

Henry Miller a Anaís Nin


Se eu te amasse a horas certas,
abririas as pernas com menos cuidado?
Se eu começasse sempre pela língua,
julgar-me-ias menos bruto?
E se eu não te mordesse o pescoço,
acaso continuarias a cravar-me as unhas nas costas?
Se eu não apagasse a televisão,
adormecerias aconchegada à minha cintura?
Se eu tomasse banho depois de fornicarmos,
julgarias o acto mais higiénico?
Se em vez do silêncio depois do orgasmo
passássemos a ter uma confissão no olhar,
perdoar-nos-ia deus o desperdício?
Já agora diz-me: se não dependêssemos
um do outro, como é que explicarias
o teu cheiro nas minhas palavras?

Henrique Manuel Bento Fialho
http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/

bom dia

Para perderes a voz tens de ter uma voz Manuel Zacarias. Para te veres tens de te olhar ao espelho e reconheceres as marcas da pele. Para te abandonares tens de aprender a voar e partir, para seres sentas-te na pedra mais fria e recomeças, para sentires coças-te, para viveres respiras.
Para morreres Manuel Zacarias Segura Viola basta o coração parar.

na volta voar



Please give me a second grace
Please give me a second face
I've fallen far down
The first time around
Now I just sit on the ground in your way

Now if it's time to recompense for what's done
Come, come sit down on the fence in the sun
And the clouds will roll by
And we'll never deny
It's really too hard for to fly.

Please tell me your second name
Please play me your second game
I've fallen so far
For the people you are
I just need your star for a day.

So come, come ride in my my street-car by the bay
For now I must know how fine you are in your way
And the sea sure as I
But she won't need to cry
For it's really too hard for to fly.

12/08/2011

terrible love beautiful love

email

Ter o mundo nos pés e tu nos braços,
calcar a terra como quem abraça o amor,
sentir os grãos que fazem o caminho,
da montanha a força,
da planície a serenidade,
de ti a beleza.

Deixar a confusão no título de uma canção qualquer,
a insegurança numa letra pensada no silêncio,
a dúvida num verso mal amanhado,
o medo numa palavra vazia.
Desenhar a velocidade no desejo,
de ti, de mim.

Ter a terra nas mãos e tu no coração,
sulcar o chão como quem sulca a vida,
sentir a ferida desmaiar-se com o tempo,
dos espinhos o sangue,
das pétalas a vontade,
de ti tudo.

11/08/2011

para ti




Lograsse a compreensão nas palavras,
nas palavras a possibilidade e o poema,
no poema a essência e o ritmo,
no ritmo o compasso certo para a dança.

Uma desilusão nunca vem só,
sucede-se, infinitudes da alma.

A tristeza não se esclarece nem define
em segredos imaginados na incompreensão.
A percepção do entendimento no silêncio,
cadafalso exposto aos elementos.

Uma palavra nunca vem vazia,
coalha, incertezas no conceito.

Lograsse o sentido na expressão,
na expressão a pele e a carne,
na carne o suor e o corpo,
no corpo o passo certo e dançava.

E desesperas por mim.
E desespero por ti meu amor.

bom dia

Acerca de hoje é que apesar do tempo, das solas gastas e de uma miopia cada vez mais agreste, Manuel Zacarias Segura Viola, ainda consegue fazer-se ao pó, trilhar caminho, abrir os olhos e sentir-se bem vivo. Esquecer tudo num arrepio da ponta dos pés enrugados até ao cabelo branco mais espigado.
Acerca de hoje é o coração do Zacarias a bater ao ritmo da canção.




Today you were far away
and I didn't ask you why
What could I say
I was far away
You just walked away
and I just watched you
What could I say

How close am I to losing you

Tonight you just close your eyes
and I just watch you
slip away

How close am I to losing you

Hey, are you awake
Yeah I'm right here
Well can I ask you about today

How close am I to losing you
How close am I to losing

02/08/2011

bom dia

Mais do que um homem espiritual, Manuel Zacarias Segura Viola tenta ser um homem com espírito, mais do que uma transcendência de qualquer espécie, Zacarias tem de transcender-se várias vezes ao dia, mais do que preocupar-se com bioenergias, multidimensões, autoconsciências, Zacarias procura o copo de água fresca que todos os dias o acorda garganta abaixo. Nestas andanças, se numa dimensão extrafísica a serenidade é algo que ambiciona, numa perspectiva intrafísica o coração de Zacarias é um tumulto de emoções.
Ainda bem para ele, foda-se.



When you're sad and when you're lonely

And you haven't got a friend
Just remember that death is not the end

And all that you held sacred
Falls down and does not mend
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

When you're standing on the crossroads
That you cannot comprehend
Just remember that death is not the end
And all your dreams have vanished
And you don't know what's up the bend
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

When the storm clouds gather round you
And heavy rains descend
Just remember that death is not the end

And there's no-one there to comfort you
With a helping hand to lend
Just remember that death is not the end
Not the end, not the end
Just remember that death is not the end

For the tree of life is growing
Where the spirit never dies
And the bright light of salvation
Up in dark and empty skies
When the cities are on fire
With the burning flesh of men
Just remember that death is not the end

When you search in vain to find
Some law-abiding citizen
Just remember that death is not the end

28/07/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola é um homem que, quando é preciso, também pensa na esperança. Contudo, e como o verde até nem é das cores que mais gosta, rapidamente se lembra que quem espera desespera e, sobretudo, é um inútil.
Assim, tal como o coração, Zacarias é todo vermelho a bater pela Maria.

20/07/2011

bom dia

Desde que se sabe gente, Manuel Zacarias Segura Viola sempre conheceu e teve pessoas que admirou, gostou e amou.
Sempre que quiseram ou tiveram que partir, o coração de Zacarias abanou mas compreendeu e continuou a bater.

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola gosta de ver a neve a derreter-se na montanha, de gelado a derreter-se na boca, de gelo a derreter-se no corpo, de chocolate derretido, de manteiga derretida nas torradas e do queijo nas tostas, das cordas a derreterem-se nos dedos.
Contudo, o coração de Zacarias, víscera mole mas sólida, só se consegue derreter com a Maria.

19/07/2011

aneurysm


Come on over, and do the twist, uh-huh
Over-do it, and have a fit, uh-huh
Love you so much, it makes me sick, uh-huh
Come on over, and do the twist, uh-huh

Beat me outta me, beat it, beat it [x7]
Beat the outta me...

Come on over, and do the twist, uh-huh
Over-do it, and have a fit, uh-huh
Love you so much, it makes me sick, uh-huh
Come on over, and shoot the shit, uh-huh

Beat me outta me, beat it, beat it [x7]
Beat the outta me...
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh...

She keeps it pumpin' straight to my heart [x8]

chamada

Queres dançar mas não sabes.

Na valsa pensas binário,
dois seres dois tempos,
pisas em falso o terceiro
e pesa-te a cabeça sobre os ombros.

No tango tentas a sensualidade,
a paixão nos movimentos,
soltos na chama da vontade
corpo preso na tensão dos músculos.

A rumba sugere descontracção,
vida a abanar o vento,
pensamento perdido no nada
e a brisa desfeita o cabelo.

Do flamenco queres a transcendência,
espírito aberto às sensações,
a luta, a esperança, o orgulho,
engolidos na voragem de um suspiro.

Do samba arrancas a atitude,
o encanto da surpresa
na elegância da carne,
mas falta-te o ritmo na condução.

Da salsa antevês o tempero,
a pitada de sal e pimenta
que desejas do encontro,
e queima-se-te a língua no sabor.

Resta-te o rock,
três acordes a embalar o desejo de aprender a dançar.

Queres dançar e não sabes,
mas sabes que é difícil amar sem saber ser amado.

bom dia

Apesar de não ser um homem novo e, aparentemente, também não ser burro de todo, existem coisas que Manuel Zacarias Segura Viola não entende bem.
O que é que a sede tem a ver com a água, a virtude com a verdade, a verdade com a mentira, o silêncio com a paz ou a paz com o fim. A paixão com a vontade, a vontade com a chama, o desejo com a memória, a memória com o tempo ou o tempo com o espaço. A animalidade com a estupidez, a estupidez com o corpo, o corpo com a carne, a carne com o espírito ou espírito com a alma. O medo com a desonra, a vergonha com o medo, a justiça com a compaixão, a cobardia com o amor ou a guerra com a morte.
O coração de Zacarias é um fenómeno, bate no númeno com a coisa em si, no cu com as calças faz ricochete e aleija-se.

17/07/2011

arejar

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola, numa distracção aparente,
tem-se desinteressado de várias coisas e há muito que deixou de esperar o melhor das pessoas. No entanto, quando o melhor das pessoas acontece, o coração de Zacarias fica insuflado de ar.

09/07/2011

bom dia

Apesar de acreditar em milagres e, por vezes, ainda lhe sair um santinho da boca, Manuel Zacarias Segura Viola nunca acreditou em santos. Os demónios aparecem-lhe em forma de banda desenhada, como que uma voz-interior que é arrotada num balão de vez em quanto.
E se o pensamento se baralha amiúde, o filha da puta do coração do Zacarias teima em dizer sim.

07/07/2011

6 x 2

1 olhar e verem-se os olhos
2 lugares de encontro
3 sentidos corpo dentro
4 mãos entrelaçadas
5 dedos na carne
6 sopros no destino
7 ondas de espuma
8 sonhos para embalar
9 segredos sussurrados
10 desejos marcados na pele
11 beijos no horizonte
Uma dúzia de vontade e querer

Dentro de ti o fim.

01/07/2011

valsa do adeus

Uma valsa em rodovia,
andamento em compasso ternário,
duas vozes paradas,
dança adiada.

Se soubesses o impossível,
o veludo da palma das mãos,
o desfolhar dos minutos,
a ferida do tempo.

Um adeus invisível,
personagens de ficções trocadas,
“estórias” e a vida,
a realidade a passar.

Se quisesses o sorriso,
o beijo no fim do poema,
o entendimento dos sentidos
a descoberta do amor.

Uma valsa a sós,
sobre pétalas de muitas cores,
dois corpos apertados,
dança adiada.

E o mundo parado a ver.

só a vida

Não há nada de especial,

na noite caída,
o precipício do corpo,
talhado no cansaço
de sonhos confusos.

O silêncio.

A vida sobre os ombros,
nem deserto nem oásis,
só tudo,
palavras truncadas no pensamento.

O silêncio.


Não há nada de especial,

entre o ir e vir,
as portas que se abrem
para se fecharem a seguir,
o cinzento de Verão abafado lá fora.

O silêncio.

Um autocarro sobre a memória.
Porra! Quanto?
O valor a vencer a idade,
gotas mornas na vidraça.

E o silêncio.

Não há mesmo nada de especial.

30/06/2011

última hora

Os portugueses devem poupar mais.
Dizem os economistas, os politólogos, os sociólogos, os inteligentes, os ignorantes, os patrões, os desempregados de barriga ao balcão e até os ET's.

As contas são simples:
600 € de ordenado quando lá chega
-100 para transportes
-150 para alimentação
-100 para água, luz e gás
-400 para uma renda de casa
Porra pá, já não chega e ainda não cheguei ao vestir, calçar, aspirinas para a dor de cabeça e, enfim, ir ao cinema, ao teatro ou a um concerto pelo menos.
Por mim está mais que poupado.
Além de que se as pessoas começam a poupar o que não têm como é que as empresas vendem e ganham dinheiro?

E se fossem chupar pilas a burros para não dizerem asneiras.

29/06/2011

bom dia

Tem dias que a alma de Manuel Zacarias Segura Viola desaparece, o espírito esconde-se e o corpo pesa mais que o de todos os concorrentes de um concurso parvo da televisão.
Nestes dias, resta a Zacarias o bater do coração no peito, monótono e fiável como os Suíços.

21/06/2011

o homem confiante

Sempre pensei que a confiança devia ser uma atitude.
Como uma forma clara de afirmação determinada,
como uma semente que, lançada à terra,
floresce e se impõe a todos os elementos.
A insegurança uma deriva no percurso,
um qualquer acidente parvo,
um escorregar estatelado naquele preciso momento
em que o tempo pára para nos levantarmos e seguirmos.

Mas não é.
Nesta imagem considero ponderando todos os imponderáveis e,
como que esparramado pelo chão deixo-me ficar.
Sinto uma aflição nos ossos na frieza da calçada,
uma artrose reumatóide que me sobe pela espinha,
cavalga o pescoço e chega aos neurónios.
Tento erguer-me subindo pela minha vontade acima,
começo a trepar entrelaçando-me todo,
artérias, veias, músculos e tendões embaraçados.
Um emaranhado complexo de situações,
posições, condições, orientações e direcções,
directas a uma teia em que a aranha é um formigueiro.
Consciente deste estado procuro a origem de tudo,
dormente,
sou ainda a convicção confiante de mim próprio.
Um borrão ferido na pedra dura.

bom dia

O coração de Manuel Zacarias Segura Viola anda sem paciência para intervalos de qualquer espécie. Apaixonado que está não tem tempo a perder nem, tão pouco, consegue sentir o tempo a perder-se, mas tem perdido muito tempo a sentir todas as artérias do corpo dilatadas, cheias de sangue vivo a correr com o tempo.
E ainda sorri para a estatística.

17/06/2011

enluernar

Olhar o desmoronamento grande
da tarde e o das palavras gordas
em glaromas de anil e penubis.
Mover a voz, porém como navios
que afundam nágua sua força finda.
Com estas mornas flores de oromãs
morigerantes ou cansadas corças
em remouro e palmas árvores, mãos,
dispor gestos delgados, delicadas
pendências, breves milagres, contas
de coloraina em tua pele aromaterna,
e com cuidados-orvalho e penetrando
e com singelos de vidro e penetrando
nesse interregno de tuas coxas

enluernar teu coração de esperma.


Augusto de Campos

with love for my aLice

16/06/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola anda com a realidade às costas e o sonho incrustado na costela da frente mais à direita de quem entra. Os olhos bem abertos estão na medida do que o coração permite.

13/06/2011

bom dia

Tem dias que o músculo das válvulas cardíacas de Manuel Zacarias Segura Viola descompassam mais que as músicas que dedilha na viola, começando a baralhar a direcção e velocidade do fluxo sanguíneo do interior das cavidades do coração para o resto do corpo. Sabendo que pode acontecer a qualquer um, Zacarias Segura Viola nunca se sentiu muito confortável com as consequências da falta de oxigenação do cérebro.

11/06/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola é português nascido em Portugal, nunca cantou o fado e nunca ergueu a bandeira em jogos da selecção, mas sempre gostou de ameijoas à bolhão pato à beira-mar plantado e, sobretudo, sempre soube que um coração é um coração onde quer que ele nasça.

10/06/2011

bom dia

Ser a animalidade que faz sede mantendo a razão de beber um copo de água, é como o coração de Manuel Zacarias Segura Viola vive a vida.

07/06/2011

humildade

Não é por ser eu, mas tenho um bacamarte brutal, uma coisa que algumas pessoas ainda não sentiram.

Foda-se leva-se com cada uma.

insónias

Nasci em portugal, sou português, vivo em portugal, provavelmente morrerei em portugal, mesmo assim só tu é que me provocas insónias.

Dylan Thomas

Houve um Tempo

Em que época puderam os bailarinos com seus violinos
suspender os problemas nos parques infantis?
Houve um tempo em que podiam chorar sobre os livros,
mas o tempo gerou uma larva nos seus caminhos.
Estão inseguros sob o arco dos céus.
É mais seguro o que nesta vida fica por conhecer.
Sob os signos celestes aqueles que não têm armas
têm as mãos limpas, e, como o fantasma impiedoso
que sozinho fica ileso, também os cegos vêem melhor.

Tradução do hmbf
http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2010/12/um-poema-de-dylan-thomas.html

bom dia

Não, Manuel Zacarias Segura Viola não é um novo hippie, apesar da viola a tiracolo, da descontracção e da simplicidade, tem dias que anda com o coração todo fodido.

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola nunca andou com o coração tão descontraído, chegou àquela altura da vida em que sabe bem o que não quer e o que quer é de uma simplicidade bastante simples.
Correu no sangue as mágoas que o fizeram, agora já ressequidas no dedo mindinho do pé esquerdo, sobra na alma a certeza de um peito a bater.

03/06/2011

bom dia

Não pertences aqui Manuel Zacarias Segura Viola, és as esquinas de um lugar sem nome, o deserto finito do tempo, o mar da espuma das ondas, o vento melodia desalvorada, a terra brava onde gerarás e o nó num coração revolto.
Não és daqui Zacarias, não és de lugar algum.

29/05/2011

enfáticos

Dizemos de forma singela as coisas mais fortes, e isso desde que estejamos rodeados de pessoas que acreditem na nossa força: um círculo assim forma-nos na «simplicidade de estilo». Os desconfiados falam de maneira enfática, os desconfiados tornam os outros enfáticos.
[Nietzsche]
 
aqui http://a-leiseca.blogspot.com/

25/05/2011

antónio passos

O António Passos voltou a dar notícias, sem dizer onde pára nem para onde vai nem, tão pouco, quando volta, deixou-me no email mais esta excrescência.



Dá-me um beijo e leva-me o desassossego,
um abraço, um olhar, qualquer coisa que possas,
uma história, um parágrafo, uma frase ou palavra,
uma intenção que seja, pelo menos.
Qualquer coisa que consigas, que tentes tão só,
que me destape, me descubra, me afronte, me encontre.
Estou-me a ir e nem o vento me leva.
Estou parado e nem a terra me quer.
E neste desassossego vou perdendo a vida, que não sei onde continua.

Já não sei se é vazio que sou ou eu que sou vazio,
se é a memória que perco ou pensamento que nunca tive,
se é o tédio que faz pena ou a pena que construiu o tédio,
se é a contradição que faço o desespero que sou,
se é o silêncio que não digo as palavras que não sei.
Depois, invejo a sobriedade com que desfazes,
a coragem com que perdes e desamparas,
a calma serena com que abandonas, largas e partes.
Já não sei se a miséria que sinto é a miséria que encontro ou a que deixo.

Ei-la em todo o seu notável esplendor, a puta!
Ilusão abstracta e emaranhada, como um sonho que não tenho,
emoção descontínua que faz, mas sobretudo desfaz
poço escuro por onde deslizo e estatelo sem contemplações,
predadora voraz de um fado já esboçado e desafinado.
Olhem bem, vejam como se ri, a déspota,
como se baba, ávida pelo sal do sangue quente,
como se alegra num festim de desengano, desilusão e perda.
Ei-la, a puta, que indomável acelera o tempo e domestica a ambição.

Deliro. Deliro com a febre que o desassossego me provoca,
e me tolhe a alma nula como um porto sem barcos,
de onde parto à deriva de impressões que vou deixando,
onde me fico na inércia mole da incerteza que cumpro,
e onde a vacuidade se dispersa abraçando toda a acção e sonho.
Sou eu que assim me faço, apenas eu,
de sensibilidade inconsequente,
de emoções fúteis,
de sensações absurdas,
de enigmas obscuros,
de racionalidade devastadora,
de vontade vazia,
de desejo estéril
de utopia vã,
de histórias insignificantes.
Sou eu, apenas eu, que tento o que não posso, que tenho o que não vislumbro.
Que horas são?
Qual será a hora a que sai o barco que não vejo e me leva o desassossego?

24/05/2011

bom dia

Para Manuel Zacarias Segura Viola tudo ficou mais simples desde que as ilusões findaram num dia incerto que não lembra, a partir daqui o sonho passou a ser determinado pelas direcções que o coração aponta. Tudo o resto lhe parece treta.

19/05/2011

idade II

- Já não percebo nada disto da idade. Sempre afirmativo, Manuel Zacarias Segura Viola solta este desabafo com o amigo José Tobias Taramouco, enquanto lhe salta um delicioso caracol para boca. Tobias distraí-se com um olho na imperial e outro numa natureza viva qualquer que não sabemos. Zacarias habituado às distracções do amigo volta à descarga deixando-se de eufemismos.
- Não percebo mesmo nada desta merda da idade.
Mais obrigado que tentado, Taramouco lá resolve tirar o olhar de nenhures que será algures para ele para se concentrar na frase do comparsa.
- Lá vens tu com isso, o que foi agora?
- O que foi não. O que é? Diz antes o que é?
Depois de dar um golo na imperial e perder-se com uma folha que o vento leva, Tobias, sempre sereno, olha o amigo e responde.
- Então 'tá bem, o que é?
- És sempre o mesmo, lês livros e mais livros, filosofias e mais sei lá o quê e um gajo anda aqui com um dilema existencial e tu perdes-te a olhar sabe-se lá para onde.
- Estou a olhar para ti homem, fala.
Segura Viola engasga-se na frontalidade do amigo e demora uns segundos a retomar o discurso.
- Épá sei lá...  lembras-te da conversa sobre a idade que tivemos da última vez.
- Vagamente porquê?
- Acho que está tudo ao contrário.
- Ao contrário como? - espanta-se José Tobias
- Sei lá, parece que tenho 20 anos outra vez.
- Bem vi que estavas com uma enorme cara de parvo.
- Vê lá se te engasgas no teu sarcásmo.
- Engasgo-me é na tua parvoíce, diz Taramouco entusiasmado consigo próprio.
Manuel Zacarias Segura Viola nunca desarmando responde secamente,
- Goza à vontade, sei bem do que estou a falar.
Entretanto, come mais um caracol que se lhe enrola na alma, olha Taramouco ainda satisfeito consigo próprio e diz-lhe:
Sabes, podes voltar a olhar para o vento, depois diz-me o que ele te disse.

16/05/2011

beautiful

Não vale a pena, não vale mesmo a pena e o pior é que nunca valeu nem valerá a pena.
Aqui, debaixo deste sol, outra vez, o mesmo sol de antes e o mesmo de amanhã, até ao dia em que uma explosão levará e lavará tudo, pó cósmico e nada mais que pó, entretanto vamos lavando os dentes num espelho onde já não nos reconhecemos, porque as cáries aleijam e a boca quer-se fresca para dizer asneiras e, já agora, para dar beijos fugazes no destino. Saborearmos o hálito do tempo que nos entra pela boca, ora como um tornado, ora como uma brisa fresca, penetrando-nos até aos lugares mais recondidos de um interior bem profundo, tão profundo que quando o queremos agarrar já o perdemos sabe-se lá encostado a que cavidade estranha do corpo. Depois pensamos, o que é uma verdadeira chatice, mas pensamos, e perde-se tempo, muito tempo à procura do tempo que perdemos e às voltas com o que não encontramos, nesta demanda a pele engelha-se, as articulações desarticulam-se, a memória desentende-se e as entranhas comem-se num banquete delicioso de iguarias fora de prazo. Às vezes salva-se o coração, esse revolucionário apaixonado e sonhador que nos salta no peito e teima em pontapear o destino traçado, e no dia que desista, que pare por não caber mais de tão cheio que a vida o deixou.
E voltamos ao início, sim voltamos ao início, porque não vale mesmo a pena, até porque as penas são muito leves e voam.


Every day is so wonderful
And suddenly, it's hard to breathe
Now and then, I get insecure
From all the pain, I'm so ashamed


I am beautiful no matter what they say
Words can't bring me down
I am beautiful in every single way
Yes, words can't bring me down
So don't you bring me down today

To all your friends, you're delirious
So consumed in all your doom
Trying hard to fill the emptiness
The pieces gone, left the puzzle undone
Is that the way it is?
'Cause you are beautiful no matter what they say
Words can't bring you down
'Cause you are beautiful in every single way
Yes, words can't bring you down
So don't you bring me down today...
No matter what we do no matter what we say
We're the song inside the tune full of beautiful mistakes

And everywhere we go the sun will always shine
But tomorrow we might awake on the other side
We are beautiful in every single way
Words won't bring us down
We are beautiful in every single way
Yes, words can't bring us down
So, don't you bring me down today
Don't you bring me down today...

12/05/2011

bom dia

Manuel Zacarias anda com o coração mais dilatado, é dos calores, quanto maior fica mais claro lhe parece tudo, o passado pouco lhe interessa, menos ainda alguns assuntos que teimam em surgir, o presente saboreia-o o melhor que consegue e pode, mas, sente sempre, que todas as cavidades apontam para um futuro que não sabe qual é.

06/05/2011

lavagem

o bailarico continua

Não gostaria de parecer enganador, que esta cena da parvoíce não é um exclusivo lusitano mas sim humano, este animal que chamamos Homem. No outro dia vi na TV um grande aglomerado  desta espécie, todos contentes a pular, gritar, rir, chorar, esse tipo de coisas que chamamos emoções, pelas bandeiras era para o lado dos USA. Tendo em conta o local, pensei que fosse um qualquer espectáculo daqueles espectaculares mesmo que só eles sabem fazer, usando linguagem corrente, assim tipo a Madona numa casa fechada com a Jay Lo em cenas lesbianas, ou o Elvis o Presley vindo do além de mão dada com o Michael Jackson a dizer-lhe não faças isso menino feio, ou, ainda, o Bush com o dedo no cu a apanhar macacos do nariz (a geografia nunca foi o forte deste animal), mas não, afinal estavam só a comemorar a morte de um sr. barbudo que é (era) mau. Parece que o tal barbudo era mesmo mau como as cobras como se usa dizer, porque na realidade as cobras não têm culpa da sua natureza, parece que a maldade deste barbas advém do facto de ter criado uma instituição que matou cerca de cinco mil e tal pessoas, o que, de facto, é uma tristeza.
Por causa desta tristeza o outro sr., o dos macacos no nariz, iniciou umas guerras que mataram muitos mais animais da espécie do que os tais cinco mil, claro que neste caso eram todos maus, aliás maus como as cobras mesmo, os que não eram maus eram apenas danos colaterais, assim como assim para quem procura macacos com o dedo no cu que diferença faz.
Assim, proponho também um bailarico, com aquela volta que já sabemos, nesta grandiosa nação, pode ser no grand canyon ou nas cataratas do niagara, a banda sonora pode ser o Bad daquele menino amigo de todos os meninos.

05/05/2011

vai um bailarico

Aqui estamos, debaixo deste sol que vai e vem, plantados na beira deste mar que nos salga a boca até o coração saltar do peito e explodir pelos olhos, deixando os bocados espalhados por tudo quanto é lugar.
Nesta azáfama parva dos parvos, mesmo tentando evitar, lá existem parvoíces que nos caiem em cima e nos deixam com o mesmo mal-estar de quando um passaroco se larga no nosso melhor fato ou, pior ainda, na cabeça, embora aqui merda por merda é só ver qual pior cheira, nada que um bom shampoo não resolva, o pior mesmo são os condicionadores. Aliás, aqui de mim para mim e quem mais quiser apanhar, não me admiraria nada é que o nosso problema seja usar condicionador a mais, pensando ou merdando que assim nos desembaraçamos melhor e cuidamos melhor das pontas soltas, quando na verdade só condicionamos ainda mais uma forma de estar já de si mais que condicionada, isto porque atrofiada é uma palavra que não me apetece usar.
No meio de tantas troikas e baildrokas quem fica trocido sou eu, e quem mais quiser que nestas coisas não sou egoista, mas como o baile segue a dança continua, e dançarinos é o que não falta por aí. O pior são mesmo aqueles que dançam sempre para o mesmo lado e depois viram e começam a dançar para o lado contrário e assim sucessivamente, num vai e vem constante determinado ou, melhor, condicionado ao sabor das tais troikas e baildrokas que os comandam, nesta dança ainda se realçam os pisadores, ou seja, aqueles que apesar de saberem o baile de cor estão sempre a pisar os pés do parceiro.
Por mim, proponho um original baile ao ar livre no Cabo Espichel, com o grandioso título de Baile Final, a originalidade poderia ser que uma das voltas se daria para o lado do mar por exemplo.
Ainda bem que tenho dois pés esquerdos e uso sabão azul e branco.

28/04/2011

aconteceu sim

Neste texto http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/2011/04/25-de-abril.html, relativamente ao 25 de Abril, o hmbf diz que andamos a comemorar uma revolução que ainda não aconteceu. Discordo muito desta frase do Henrique. A revolução aconteceu, nos meus 5 anos lembro-me perfeitamente do sentimento de liberdade sentido, de um país que parecia estar a sair de um ventre putrefacto, onde de repente, apesar da tenra idade, me vejo a ajudar o meu pai a colar cartazes, ir a reuniões políticas, vendo nos olhos das pessoas uma vontade e alegria impossíveis de descrever, vender o Avante, que era maior do que eu, livremente na rua em bancas onde também se vendiam bustos do Lenine, Marx entre outras coisas, organização de eventos desportivos, recreativos, culturais sem outro intuito que o prazer de oferecer algo à população.
Isto durou um ano e cerca de outro de resquícios do anterior, mas aconteceu, só depois veio tudo o resto que está no texto do Henrique.

chamber music

XXVIII

Amável senhora, não cante
Canções tristes sobre o fim do amor;
Afaste a tristeza e cante
O quanto basta o amor que passa.

Cante o longo e profundo sono
Dos falecidos amantes, e como
Na sepultura todo o amor repousará:
Por ora o amor está cansado.

James Joyce, in Poems and Shorter Writings, Faber and Faber, 2001, p. 40.
Versão de HMBF.
Aqui: http://universosdesfeitos-insonia.blogspot.com/

bom dia

O coração de Manuel Zacarias sente que algures perdera o fio à meada, o que, tendo em conta uma variedade de situações, até acha normal. O que preocupa Segura Viola, é mesmo não ter a noção do que é a meada.

01/04/2011

bom dia

Manuel Zacarias Segura Viola anda com o coração inchado, entre a paixão constante e angústias momentâneas o coração não para de crescer. Até aqui tudo bem, o problema mesmo são os gases que o inchaço provoca.

31/03/2011

António Passos

O António Passos é um tipo estranho. Encontro-o nos lugares mais improváveis desde há sete anos a esta parte e, sempre que nos encontramos, além de me contar histórias ainda me oferece textos rabiscados em teclados inimagináveis. Sendo uma pessoa escusa e um pouco evasiva, lá me vai pedindo para deixar aqui alguns dos textos que me dá, sempre anonimamente.
Uma das coisas que me disse sempre, era que não lhe interessava para nada os sentimentos ou a profundeza dos sentimentos nas palavras, no que escrevia o que lhe interessava mesmo eram as palavras, as frases, porque o sentimento pode ser datado, a beleza das palavras não. Ainda me dizia que o sentimento é uma coisa mais pragmática, como um pai a ajeitar o cabelo a um filho ou um namorado a sorrir apaixonado com a chegada da namorada, contra tudo isto as palavras não passavam mesmo de palavras, só palavras que o tempo trazia e que o tempo levaria, os gestos eram eternos, ficavam cravados até ao fim desta vida e, quem sabe, retornavam numa próxima se a ela tivéssemos direito.
Para um céptico como eu, tanto a postura misteriosa como este tipo de diálogo deixavam-me inquieto, apesar de uma enorme vontade nunca aprofundei conhecimento com o António, não sei nada da vida particular do homem, mas cálculo que não tenha página no facebook. Aqui há uns dias, disse-me que ia de vez, agradeceu-me e despediu-se assim:
- Aqui vou eu, António Passos de Solidão.

Deixou-me um último texto:

Apetece-me partir de mim sem volta que não a ida.
E se no caminho todos os passos se apagarem,
e se na chegada todos os pensamentos se perderem,
será que aquele que de mim parte nunca terá existido?


Nunca pensei muito no fim físico,
menos ainda no depois,
mas sinto,
continuamente,
um desejo de não existência que a morte nunca conseguirá apagar.
E este desejo implica com esta minha vida escusa e enfadonha,
não com a morte que,
pelo menos,
tem a virtude do enigma.

A morte é pó só pó e nada mais que pó.


Talvez seja por tudo isto que gosto tanto do vento,
imaginar-me pó liberto à sorte sem destino,
chegando a todo o lado,
conhecendo todos os cantos,
todos os recantos,
todos os encantos que não encontro ou consigo agora.


Será o tédio que sinto apenas a espera deste mistério?


Tudo me cansa,
os pensamentos que não encontro mas,
também,
os que faço.
E todas as sensações.


O sol que nasce claro ofuscando,
as nuvens densas que escondem as impressões que sinto e as que aspiro,
o mar que se revolta ou o céu tranquilo marinando.

Entretanto,
olho por cima de mim para mim,
dou meias voltas com voltas e meia e giro,
rodopiando em espirais de considerações,
elevando-me até ao patamar em que a invenção
não é mais que uma fábula entediante dos sonhos que perco.
E,
do alto da minha confusa congeminação,
desço tonto de tanto rodopio e esqueço tudo,
o que fui,
o que sou,
o que nunca virei a ser,
e faço um interstício de mim mesmo.
Paro toda a acção que não sou e os pensamentos que imagino.


Assim,
deslembro-me da vida,
menos do cansaço.